Citador

22 julho, 2007

Mais um .... desta vez um Pitt Bull


«Flávia Pereira viveu 15 minutos de terror. A criança de 11 anos entrou na casa de uma colega, na Póvoa de Santa Iria, concelho de Vila Franca de Xira, e foi atacada por um pitt bull. Durante um quarto de hora, as duas amigas tentaram conter o animal e só conseguiram detê-lo porque um vizinho foi em seu auxílio. O ataque ocorreu na tarde de sexta-feira, quando Flávia acompanhou Mariana, de 11 anos, até ao 8.º piso de uma urbanização da Avenida Antero de Quental. "Fiquei à espera da minha amiga no hall quando vi um cão a correr na minha direcção".»
In DN 22/07/2007

É proibido por lei manter animais selvagens, exoticos em cativeiro, porque não proibir tambem animais ditos domesticos, mas com um indice de perigosidade elevado???

1 comentário:

Leandro Borges disse...

Caro Caesar!!!
Assim como há criminosos criando Pit Bulls para brigas e para amedrontar pedestres nas ruas, há também criadores sérios e éticos de APBT. Para piorar as coisas, os maus criadores muitas vezes deixam de treinar seus cães para não agredirem humanos, como os criadores do início do século passado faziam. Pelo contrário, treinam os cães para serem o mais violentos possíveis.

Como resultado, o termo Pit bull é hoje pejorativo e instiga medo em muitas pessoas. O preconceito gera lendas urbanas como a de que suas mandíbulas têm a forma de um alicate, que se trancam sob a carne de suas vítimas, exercendo dez toneladas de pressão, e não poderiam ser abertas a menos que o cão tivesse a cabeça arrancada, que sua caixa craniana é menor que seu cérebro, fazendo com que ele tenha muitas dores de cabeça e ataque até seus donos (mesma lenda que foi usada na época dos Dobermann), ou que é um cão criado em laboratório, com uma substância injetada para ficar louco e agressivo.

O resultado é o preconceito indiscriminado, que faz autoridades banirem Pit Bulls das comunidades, e companhias de seguros cancelarem seguros se a casa tiver um Pit Bull.

Na verdade, o Pit Bull é um cão inteligente, e muitos de seus exemplares são obedientes; são cães saudáveis que reclamam pouco e oferecem muito aos seus donos. Há até mesmo casos de cães que servem de guias para cegos e já são usados como cães de terapia em hospitais e clínicas para ajudarem crianças deficientes.

Assim como outros cães, Pit Bulls podem ser defensivos com relação ao seu território, mas, de modo geral, cães de luta não são territoriais. Como em todas as outras raças, alguns de seus membros mostram uma desconfiança com relação a outros animais, e uma propensão a atacar animais que se aventurem a cruzar seu caminho, no caso do Pit Bull, essa agressividade é tida como normal, visto ser um cão criado para rinhas. Como já dito, devem ser sociabilizados desde filhotes com todos os tipos de pessoas, desde crianças a idosos, pois como todo cão, podem estranhar uma criança se nunca tiverem visto uma.

Pit Bulls são bons animais de estimação, mas devem ser tratados com cuidado e respeito por quem decidir criá-los. Quando em público, sempre devem usar guia curta, focinheira, enforcador ou coleira resistente, sendo conduzidos por pessoas com força física suficiente para conter o animal no caso de euforia. Não são recomendados para quem nunca teve cães.


O caso dessa mulher só obteve repercução ´pois a raça era Pit Bull, se fosse um Doberman, Bull Dog, Pastor Alemão.... etc são caes tão agressivos quanto os pit Bulls, não teria virado noticia. O Pit Bull é o cão mais discriminado pelo homem mais do que qualquer raça no mundo e a culpa de tudo isso é o próprio homem!!!


Abraço!!!!